sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

MANOBRAS DE HIGIENE BRÔNQUICA UTILIZADA PELA FISIOTERAPIA NA UTI DO HOPITAL PLATAO ARAUJO-AM

    O aparelho respiratório esta freqüentemente exposto à diversos fatores lesivos que podem ocasionar importantes alterações, desde o mecanismo de controle da respiração, sua mecânica, funções das trocas gasosas e de suas funções metabólicas, levando o paciente a um quadro de sofrimento e de dor. Para que haja uma depuração normal das vias aéreas se faz necessário uma escala mucociliar funcional e uma tosse eficaz.
     A fisioterapia não atua diretamente sobre o processo patológico, e sim no nível das limitações e incapacidades aumentando a independência e conseqüentemente a capacidade respiratória (CHAVES, 2003).
   A fisioterapia respiratória contribui para prevenir e tratar vários aspectos das desordens respiratórias, tais como:
v  obstrução do fluxo aéreo
v   retenção de secreção,
v   alterações da função ventilatória,
v   dispneia,
v   melhora na performance de exercícios
v   físicos e da qualidade de vida.
MANOBRAS CINESIOTERAPÊUTICAS MANUAIS OU MANOBRAS DE HIGIENE BRÔNQUICA
São termos utilizados para denotar um conjunto de técnicas fisioterapêuticas não invasivas, que têm como principais objetivos o desprendimento e a mobilização de secreções
As técnicas mais utilizadas são:
vPercussões pulmonares
vPressão expiratoria
vVibração
vShakink
vDrenagem postural

As manobras de higiene brônquica deve ser utilizada nos seguintes casos:
v  Tosse ineficaz;
v  Produção excessiva de muco;
v  Diminuição do murmúrio vesicular ou o surgimento de roncos ou creptações;
v Taquipnéia, padrão respiratório exaustivo;
    PERCUSSÃO OU TAPOTAGEM
   A percussão ou tapotagem pode ser definida como qualquer manobra realizada com as mãos, deforma ritmada ou compassada, sobre um instrumento ou corpo qualquer. Foi primeiramente descrita por Linton, em 1934, e desde então vem sendo utilizada com grande frequência pelos fisioterapeutas. As percussões pulmonares proporcionam ondas de energia mecânica que são aplicadas na parede torácica e transmitidas aos pulmões. A forma com que estas ondas se propagam assemelha-se analogamente aos círculos que se formam na água para fora do ponto onde uma pedra fora atirada. O objetivo da percussão torácica é mobilizar a secreção pulmonar viscosa, facilitando sua condução para uma região superior da árvore brônquica, promovendo a eliminação. A secreção é despregada devido à ação das ondas mecânicas produzidas pela mão percussora.

   PRESSÃO EXPIRATÓRIA (PE), TAMBÉM CHAMADA DETERAPIA EXPIRATÓRIA MANUAL PASSIVA OU COMPRESSÃO EXPIRATÓRIA;
A pressão expiratória (PE), também chamada de Terapia Expiratória Manual Passiva ou Compressão Expiratória, consiste em deprimir passivamente o gradil costal do paciente durante uma expiração forçada, sobretudo na fase final da expiração. Pode ser realizada com o paciente em decúbito dorsal, lateral ou sentado. Para sua realização, as mãos do terapeuta devem ser colocadas espalmadas com dedos abduzidos sobre o tórax, com os punhos e cotovelos fixos para a realização dos movimentos acompanhando a dinâmica da respiração e a movimentação rítmica das costelas. A pressão dada é contínua e proveniente dos ombros e braços, podendo, ao final, haver uma leve vibração para se obter maior relaxamento do paciente. Pode ser realizada em qualquer região da parede torácica, desde que as mãos se encontrem bem posicionadas. O objetivo principal da pressão expiratória é desinsuflar os pulmões. Fisiologicamente ocorre uma diminuição do espaço morto e, conseqüentemente, do volume residual (VR); aumento do volume
corrente (VC) e maior ventilação pulmonar, que, por sua vez, oxigenará melhor o sangue. Objetiva-se também com esta manobra um ganho de mobilidade da caixa torácica, bem como um auxílio na mobilização de secreções. Na sua parte final, assiste e estimula a tosse, por uma provável tendência de colapso das vias aéreas.

VIBRAÇÃO
A vibração é uma técnica de higiene brônquica que tem como objetivo mobilizar secreções já livres na árvore brônquica em direção aos brônquios de maior calibre, visando à expulsão de secreções.É uma aplicação manual com movimentos oscilatórios combinados a uma compressão aplicados no tórax do paciente, comumente usada por fisioterapeutas com o objetivo de remover secreções.A compressão e oscilação aplicadas durante a vibração produzem alguns mecanismos fisiológicos, tais como: aumento do pico expiratório; aumento expiratório do fluxo aéreo, carregando o fluxo de muco para a orofaringe; aumento do transporte de muco pelo mecanismo de diminuição da viscosidade da secreção, utilizando como ideal uma freqüência entre 3-17 Hz; e a otimização do mecanismo da tosse via estimulação mecânica das vias aéreas. A vibração é aplicada manualmente no tórax durante a expiração após uma inspiração máxima.

SHAKING
É uma manobra utilizada com a finalidade de acelerar a remoção de secreções através do sistema de transporte mucociliar. É realizada apenas durante a fase expiratória da respiração e após uma inspiração profunda, reforçando, assim, o fluxo de ar expiratório proveniente dos pulmões.Para a realização do shaking, as mãos devem estar relaxadas e colocadas sobre a região apropriada do tórax (com acúmulo de secreções ou diminuição da ventilação), começando logo após o início da expiração; o terapeuta então balança a caixa torácica em direção ao brônquio principal. O objetivo desta técnica é o deslocamento de secreções das vias aéreas de pequeno calibre para as de grande calibre. O shaking pode ser realizado uni ou bilateralmente. Caso não haja incisão, o paciente permanece parcial ou totalmente sentado, e as mãos do terapeuta devem ser colocadas na região inferior da parede torácica, com o movimento dirigindo-se superiormente em direção ao brônquio principal. Quando utilizado sobre o esterno, normalmente estimula a tosse devido à mudança das secreções superiormente no trato respiratório. Nos pacientes após toracotomia, as mãos devem ser colocadas sobre a região anterior e posterior do tórax, abaixo da incisão e não sobre o dreno intercostal. Se o paciente tossir, o fisioterapeuta pode aplicar uma firme pressão para dar uma maior estabilidade torácica, propiciando, assim, uma tosse mais confortável e eficaz.

DRENAGEM POSTURAL
É o posicionamento do paciente em diversos decúbitos para facilitar a drenagem das secreções pulmonares em direção à traquéia pela força da gravidade. A secreção, uma vez na traquéia, poderá ser expectorada ou aspirada.  Existem controvérsias sobre o tempo de aplicação do método, mas muitos autores defendem a permanência por 15 a 30 minutos em cada posição com o limite de 60 minutos no total.

Outras Manobras de higiene Brônquica
BAG-SQUEEZING
Utilizado para pacientes que cursam com quadro de hipersecreção pulmonar e tampões
mucosos, e que estejam necessitando da utilização de ventilação artificial, por meio de um
aparelho de ventilação mecânica invasiva. Consiste na utilização de uma bolsa de hiperinsulflação pulmonar e técnicas de vibração e compressão torácica.
2 Fts trabalham juntos:*administrar um volume gasoso com a bolsa(maior que o volume
corrente utilizado pelo suposto paciente se possível CPT),*sincronizar a manobra de
vibrocompressão após a hiperinsuflação.

Contra Indicações:
v  Casos de instabilidade hemodinâmica
v  Hipertensão intra craniana
v  Hemorragia peri-intraventricular grave
v  Osteopenia da prematuridade
v  Distúrbios hemorrágicos
v  Graus acentuados de refluxo gastresofágico
v  Hiperinsuflação manual= superdistender áreas já infladas= mas deixam outras áreas
v  colapsadas=risco de pneumotórax;
v  CUIDADO: asma e bronquite = condições que causem hiperinsuflação.

MANOBRA ZEEP
Pacientes que estejam necessitando de ventilação artificial por meio de ventilação mecânica invasiva;
Em situações como osteoporose ou osteopenia importante, plaquetopenia;
Elevar a pressão positiva expiratória final até um mínimo de 10cmH2O;
Levar esta pressão até zero (Zeep) juntamente com a vibrocompressão realizada sobre a
parede torácica Retornar a pressão expiratória final aos níveis anteriores aos dos antes da realização da manobra.
 Contra indicações
v  Pacientes hemodinamicamente instáveis;
v  Hipertensão intracraniana.

Esp da sobrati –Am:.Roselândia Ribeiro Solidade
Preceptor do Hospital Platão Araujo: Marcos Vinicius
Coordenador Geral Sobrati-Am: Daniel Xavier

Um comentário: